9.27.2012

as andorinhas andam inquietas e há lágrimas nos olhos dos peixes


Existem momentos em que a natureza inevitavelmente fala connosco, ou simplesmente nos sentimos parte dela.
Ontem a inquietação das andorinhas deixava adivinhar um novo começo, ou um fim. Esta nostalgia provocada pela contradição em si deixa-me em dado momento algo angustiada, de muito me sentir inquieta.
Não posso ignorar um novo tempo que aí vem, mas como em quase tudo na minha vida, nunca gostei do primeiro dia de coisa alguma. Há recomeços, há incertezas e doem. Muito. Como também há lágrimas nos olhos dos peixes, lágrimas de partida. Lágrimas de um tempo que já foi bom. Um espelho de água que se mantem pelo choro calado dos peixes.

9.25.2012

Fico


FICO | Falaste-me da planície e do espelho de água tremeluzente ao fundo da paisagem. Falaste e eu só olhei para ti, para o verde dos teus olhos que se interpunha entre mim e a miragem.
Pensei…Como vamos sobreviver na planura sem mais nada senão a ternura dos dias que se vão sucedendo? Será que tudo isto é excessivamente vazio ou existem razões escondidas no reverso do tronco dos sobreiros? Reinvento todos os dias o horizonte, semeando alentos que me fazem ficar por aqui, pois a tua pele cheira exatamente como este lugar onde me encontro,
espiando de soslaio a sombra do teu ombro. E fico. Fico um pouco mais, à espera do voo da andorinha e do teu arrulhar discreto no beiral que é nosso teto. Miguel Horta

Fico

a trabalhar numa ilustração para um texto do Miguel Horta e completamente fascinada com os daguerreótipos (daguerreotype)

9.19.2012

5º Encontro Nacional de Ilustração

foge-me o tempo nas horas que te vejo crescer.

esta é a minha participação para o 5º Encontro de Ilustração (ver programa aqui)

"Lápis, tu conténs um ciclo de vida inteiro,
Inscrevendo a passagem do tempo nas tuas entranhas
Permitindo, porém, a inscrição de uma marca quase atemporal.
Lápis, em único testemunho do nascimento, da vida e da morte da árvore,
Bem podes orgulhar-te da tua origem na terra,
Do teu crescimento para o céu,
Da tua formação com o fogo,
E da tua aliança transformadora com a água.
Como uma árvore genealógica, inscreves em ti o genograma dos quatro elementos vitais,
Das quatro componentes fundamentais que estruturam um conto,
Ancestral, magnífico, imemorial."...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...